CP: SC Mirandela, 2 – Vilaverdense FC, 1: Sabor amargo

Publicado por em 3 Setembro, 2018

André Salvador, o melhor em campo pelo lado do Vilaverdense

André Salvador, o melhor em campo pelo lado do Vilaverdense

O Vilaverdense saiu derrotado de Mirandela, num jogo que ficou marcado pelo (muito) calor e pela reviravolta dos locais no marcador. André Salvador, com um grande golo e uma excelente exibição, deu vantagem à sua equipa, mas os transmontanos, no primeiro quarto de hora da segunda parte, viraram o resultado a seu favor.

Depois da boa exibição da semana passada contra o Merelinense, o Vilaverdense partiu para Mirandela com a esperança de trazer pontos do terreno de um rival que se reforçou muito e bem, que pratica um jogo ao primeiro toque e com enorme qualidade, o que faz antever que esta será uma das boas equipa deste campeonato e, se calhar também, um outsider a ter em conta.

Convém dizer, antes de qualquer outra análise, que este jogo ficou marcado pelo imenso calor (39º) que se fazia sentir aquando do início da partida e durante a mesma, que condicionou os atletas e obrigou, em ambas as partes, a uma paragem para hidratação.

No meio deste calor abrasador, o jogo abriu com uma soberana oportunidade para o Mirandela logo no primeiro minuto através de Varela, que passou por Nené mas no cara a cara com Miguel Palha, viu o guarda-redes do Vila, com uma excelente defesa, negar aquilo que parecia certo.

Esta jogada foi o mote para uns primeiros minutos muito apáticos do Vilaverdense. A equipa de André Cunha teve dificuldades em acertar a marcação. Já o Mirandela, com muitos jogadores a tratarem bem a bola circulava o esférico, mas com um senão, não conseguia ser acutilante no último terço. O Vila vivia em sobressalto porque a bola rondava a sua área, mas o perigo não surgia junto da sua baliza.

Depois do primeiro quarto de hora, o minhotos, sempre por intermédio de André Salvador (autor de mais uma excelente exibição) conseguiu construir alguns lances que poderiam (e deveriam) ter dado golo. O primeiro surgiu quando Salvador soltou Gonçalo Casal na esquerda, este cruzou para a área onde Pedro Fernandes, guarda-redes dos locais, se teve de aplicar a fundo. Minutos mais tarde, um cruzamento da direita novamente obra de Salvador, foi cortado na hora certa pelo experiente central e capitão do Mirandela, Nuno Corunha, quando Campinhos se preparava para rematar.

Entre uma jogada e outra, o Mirandela continuava o seu toque e posse, mas sem descolocar a defesa do Vila e sem levar a bola com perigo para as imediações da área de Miguel Palha. O Vila, por esta altura, estava confortável no jogo.

Mais ficou aos 38 minutos, quando o homem do momento, André Salvador, depois de ganhar a bola à saída do seu meio terreno, chegou em força e habilidade à entrada da área para desferir um potente e colocado remate que Pedro Fernandes bem tentou, mas não conseguiu travar porque a bola entrou junto ao angulo da sua baliza. Um golo de levantar um estádio. Execução de qualidade do possante jogador do Vila.

Estava aberto o ativo. Estava feito o primeiro do jogo, o Vilaverdense estava na frente e assim foi até ao intervalo.

No reatamento, mais do mesmo, nova entrada apática e desastrada do Vilaverdense e se o Mirandela, na primeira parte não tinha criado grande perigo, conseguiu, logo ao minuto 47, empatar a partida. Os da casa, através de Varela, aproveitaram uma falha generalizada da defensiva do Vila (embora fique a ideia de que o árbitro poderia ter matado a jogada porque no canto que origina este lance, Corunha fez falta atacante que o árbitro não viu), o avançado bem servido por André Pinto, surgiu na cara de Miguel Palha e depois de fintar o guarda-redes e de um compasso de espera, marcou o golo do empate.

O Vila sentiu o empate e os da casa cresceram ainda mais. Mesmo antes de se fechar o primeiro quarto de hora da segunda parte, o Mirandela operou a reviravolta. O mesmo Varela, pelo lado esquerdo conseguiu desenvencilhar-se de Pedro Oliveira e serviu, junto à marca do pontapé de penalti, Tiago Borges, este, sem tremer, bateu a bola para o fundo das malhas. Ao minuto 58, os dacasa passavam para a frente do marcador.

Esta vantagem mínima podia ter sido anulada logo de seguida, só que desta vez foi Aldair, frente a frente com Pedro Fernandes, quem não conseguiu desfeitear o guarda-redes local que se opôs com uma grande intervenção.

Até ao fim, o que sobrou foi a tentativa de o Vila empatar e do Mirandela marcar o terceiro tento. Nos últimos dez minutos, os minhotos obrigaram os da casa a recuar, despejar bolas e a sofrer para vencer.

O Vilaverdense saiu derrotado deste embate, mas fica a boa imagem que a equipa deu, embora tal não se traduza em pontos. O Vila bateu-se bem num terreno muito difícil, onde mora um conjunto bem orientado por Rui Borges e que pratica um futebol muito agradável. Será este Mirandela um candidato a lugares de subida? O tempo o dirá, mas fica-se com a sensação que os transmontanos podem aspirar a algo mais.

Na análise ao jogo, André Cunha disse que à sua equipa lhe está a faltar uma vitória. É mesmo com essa ideia que se fica e que só uma vitória poderá libertar este Vilaverdense. Espera-se que a mesma aconteça no próximo domingo, contra o Taipas, na primeira eliminatória da Taça de Portugal, que se joga no Cruz do Reguengo.

FICHA DO JOGO

Estádio: São Sebastião (Mirandela)

Árbitro: Sérgio Soares (AF Porto)

SC Mirandela:

Pedro Fernandes, Pedro Santos (Carlos Ponte, 54’), Corunha, Zaidú e Zé Ricardo; Kelvin, Clayton e André Pinto; Tiago Borges, Vitinho (João Victor, 75’) e Varela (Cristian Tissone, 85’);

Treinador: Rui Borges;

Vilaverdense FC:

Miguel Palha, Gabi, Pedro Oliveira, Nené e Gonçalo Casal; Filipe Menezes (Rui Neves, 64’), Paulo Souza e André Salvador; Aldair (Nuno Pereira, 64’), Pedro Pereira (Rui Gomes, 85’) e Campinhos;

Treinador: André Cunha;

DISCIPLINA

Amarelos:

SC Mirandela: Varela, 67′; Corunha, 75′ e Zé Ricardo, 80′;

Vilaverdense FC: Filipe Menezes, 59′; André Salvador, 60; Gabi, 67′ e Paulo Souza, 68′;

GOLOS: (0-1) André Salvador, 38’; (1-1) Varela, 47’; (2-1) Tiago Borges, 58’;

Melhor em Campo: André Salvador;

© Fotos: Bola P’ra Frente / Luís Ribeiro


Reader's opinions

Deixe a sua resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *



Current track
Title
Artist