I Liga: De Vila do Conde não soprou bom vento

Publicado por em 7 Outubro, 2018

Ricardo Horta, autor do único golo do Braga

Ricardo Horta, autor do único golo do Braga

É caso para dizer que o Sporting Clube de Braga, líder do campeonato à condição, conquistou um ponto em casa frente a um Rio Ave destemido e sem medo de ter bola que veio à Pedreira de cabeça erguida e com fome de vencer. Já o líder do campeonato pareceu ter vergonha de mostrar a equipa que já se viu esta temporada. Houve espaço para tudo. Até para cinco expulsões.

Abel Ferreira bem pode assistir ao Clássico esta tarde mas não muito descansado. Ontem à noite, o Rio Ave apareceu na casa do líder com uma vontade que em poucos momentos se viu o Braga ter numa noite fria… E que gelou por instantes os 12683 adeptos que disseram “sim” à chamada do técnico arsenalista.

O Braga apresentou-se com o onze habitual, sem alterações face às últimas duas jornadas. Já os vila-condenses entraram em campo sem Carlos Vinicius, ponta-de-lança brasileiro que tem rendido golos aos visitantes e que viajou para o Brasil por ter perdido a mãe. Em seu lugar, entrou Gelson Dala… E fez o que lhe competia.

O Rio Ave entrou no Municipal de Braga sem problemas em procurar assumir o jogo. Nada que não se esperasse até porque, à entrada da partida, os de Vila do Conde eram o quinto classificado com 13 pontos.

Olhos nos olhos, jogo pelo jogo, mais posse de bola e mais tentativas de chegar à baliza adversária. Ainda assim, foi o Braga a adiantar-se no marcador, até porque ia conseguindo criar perigo. Ao longo da primeira parte, Dyego Sousa ainda assustou com um cabeceamento que Léo Jardim segurou, mas foi Ricardo Horta que, contra a corrente do jogo, adiantou o Braga no marcador. Aos 27 minutos, Claudemir conseguiu aparecer à entrada da área e entregou para o extremo que rematou em jeito sem hipótese para Léo Jardim. Pouco depois, os visitantes atribuíram justiça ao marcador e fecharam o resultado final num jogo que ainda teve muito para contar na segunda parte. Gelson Dala selou a partida aos 34 minutos com a ajuda de Fábio Coentrão, que ora aparecia pela direita, ora pela esquerda, ora voava pelo centro, e foi daí que aproveitou para interceptar um cabeceamento de Sequeirae entregou para o angolano que, isolado, bateu Tiago Sá pela primeira vez. O guardião do Braga tinha a baliza em branco nos três jogos em que defendeu a baliza arsenalista. Ainda assustou João Schmidt no final do primeiro tempo, ao aparecer na pequena área, mas acabou desarmado.

No segundo tempo, a equipa de Vila do Conde voltou a entrar forte e valeu ao Braga… A prata da casa. Foi Tiago Sá quem brilhou ao evitar o segundo golo do Rio Ave, dez minutos após o regresso para a segunda parte. Contra-ataque rápido de Galeno que entregou de mão beijada aquilo que poderia ser o bis para Gelson Dala. Novamente isolado, Dala rematou de primeira para ver Tiago Sá voar e defender para canto. Grande intervenção do guarda-redes arsenalista.

A partir daí, os da casa pareceram querer acordar para o que restava da partida. O Braga reagiu com tudo para tentar responder ao ímpeto inicial dos visitantes. João Novais e Ricardo Horta podiam ter marcado mas a oportunidade da noite vai para Wilson Eduardo. Aos 67 minutos obrigou, de cabeça, Léo Jardim a impedir o segundo dos guerreiros do minho com uma grande defesa. O Tribunal da Pedreira gritou golo… Mas foi só ilusão de ótica porque a redondinha não entrou.

Abel Ferreira ainda lançou, sem grande surpresa, Eduardo, Paulinho e Fábio Martins mas nos últimos minutos só se viu mais coração do que cabeça…Dentro e fora das quatro linhas. Para a história fica um final muito intenso e desnecessário. Até ao fim do jogo, houve oportunidades para ambas as equipas marcarem mas nenhuma conseguiu o golo da vitória. Já nos descontos, o Rio Ave ficou a pedir grande penalidade por falta de Bruno Viana sobre Galeno, mas Tiago Martins não assinalou.

Em seis minutos de tempo de descontos, houve espaço para quatro expulsões. Ricardo Esgaio, por acumulação de amarelos, o director do Rio Ave André Villas Boas e ainda… Os dois técnicos: primeiro Abel Ferreira, depois José Gomes. Depois do apito final, Wilson Eduardo viu Tiago Martins levantar o vermelho direto. Contas feitas, para o dérbi minhoto em Guimarães, na próxima jornada, falham dois titulares e possivelmente o treinador no banco.

No banco, mas não de cadeirão, é onde Abel Ferreira pode ver o Clássico de hoje. Apenas pode esfregar as mãos em caso de empate no Benfica-Porto. Já que só assim pode continuar líder do campeonato.

FICHA DO JOGO

Estádio: Municipal de Braga

Árbitro: Tiago Martins

SC Braga:

Tiago Sá, Marcelo Goiano, Bruno Viana, Pablo Santos e Sequeira; João Novais (Eduardo, 70’) e Claudemir; Ricardo Esgaio, Ricardo Horta (Fábio Martins, 77′), Wilson Eduardo e Dyego Sousa (Paulinho, 70’)

Treinador: Abel Ferreira

Rio Ave FC:

Léo Jardim, Nadjack, Buatu, Borevkovic e Matheus Reis; Jambor (Tarantini, 39’), Diego Lopes e João Schmidt; Fábio Coentrão (Gabrielzinho, 82’), Galeno e Gelson Dala (Bruno Moreira, 82’)

Treinador: José Gomes

DISCIPLINA

Amarelos:

SC Braga: Marcelo Goiano (45+1’), Ricardo Esgaio (62’, 90+2’), Paulinho (86’)

Rio Ave FC: Diego Lopes (6’), Galeno (53’), Tarantini (71’), Léo Jardim (89’)

Vermelhos: Ricardo Esgaio (90+2’), Wilson Eduardo (depois do final da partida)

 

GOLOS: (1-0) Ricardo Horta (28’), (1-1) Gelson Dala (34’)

Melhor em Campo: Tiago Sá

© Fotos: Sporting Clube de Braga.

Categorizado como

Current track
Title
Artist