I LIGA: O sonho foi uma realidade durante 45 minutos

Publicado por em 29 Abril, 2019

Fransérgio, o melhor do Braga neste jogo.
Fransérgio, o melhor do Braga neste jogo.

Uma tarde com todos os condimentos para um grande Jogo. Duas das 4 melhores equipas do campeonato, estádio cheio, ambiente mágico, de um lado estava em causa o 3º lugar, do outro a liderança isolada! .

O Braga repetiu o onze da última jornada, frente ao Feirense, fazendo regressar M. Goiano e Dyego Sousa ao banco de suplentes. Do lado do Benfica uma alteração no onze inicial, Rafa no lugar de Cervi. Depois do apito inicial o Braga assumiu a iniciativa do jogo, fez um jogo muito intenso pressionando o Benfica à saída da sua grande área e, dessa forma, colocou um colete de forças ao adversário que deu sinais de intranquilidade. Esta diferença só se tornou efetiva com a vantagem conseguida através da grande penalidade convertida por Wilson Eduardo, a castigar uma falta cometida sobre Fransérgio numa jogada fabulosa do Braga. O Braga era superior, em todos os aspetos do jogo, liderado por Fransérgio, que se exibia ao mais alto nível! O Benfica fez o primeiro remate, à baliza, aos 44 minutos. Terminados os primeiros 45 minutos, o Braga saiu para intervalo em vantagem, que se esperava pudesse manter na segunda parte.

As equipas regressaram para os segundo 45 minutos e rápido se percebeu que o Benfica iria tentar assumir o jogo, com o Braga a recuar as linhas, apostando na transição rápida para tentar ampliar o resultado. Passados cinco minutos o Benfica dá o primeiro aviso fazendo um remate desviado por T. Sá para o poste direito. Estava claro que se o Braga não voltasse ao modelo da primeira parte iria sofrer e correria mais riscos pois seria obrigado a cometer erros! Aconteceu aos 59 minutos num lance dentro da grande área o árbitro entendeu que Esgaio toca no pé de Félix e assinalou grande penalidade! Lance polémico que permitiu o empate ao Benfica. Depois do empate, o Braga continuou a não ser capaz de assumir o jogo e aumentar a intensidade e a pressão e, dessa forma o Benfica empurrou Braga para a sua grande área e num remate de Pizzi a bola embate no braço de B. Viana entendendo T. Martins que haveria motivo para nova grande penalidade que foi convertida por Pizzi. Desta forma, acontece a reviravolta no resultado e coincidindo com uma quebra na moral do Braga e em alguns jogadores, como por exemplo o Fransérgio. Pouco tem depois o Benfica faz novo golo, na conversão de um canto R. Dias cabeceia para dentro da baliza de T. Sá. A partir daqui sentiu-se que o Braga desligou e o aspeto psicológico não ajudou. O treinador do Braga faz a primeira alteração aos 74 minutos, colocando Dyego no lugar de Wilson tendo mais capacidade física e golo na grande área adversária. Mas sentia-se que o meio campo esta desligado e fisicamente desgastado não havendo capacidade para fazer chegar a bola em condições até ao último terço. Abel voltou a mudar aos 84 minutos, fazendo duas alterações de uma assentada Trincão por Franségio e Ryller por Esgaio. Do outro lado B. Lage fez entrar Gedson para o lugar do F. Luís, aos 80 minutos, e aos 85 Salvio para o lugar de Pizzi. As alterações pouco ou nada mudaram, principalmente no que ao Braga diz respeito…talvez um pouco tardias para alterar o curso dos acontecimentos! Já decorria o minuto 90 e, numa jogada de contra ataque, o Benfica volta a marcar, Seferovic faz o primeiro remate para uma defesa espetacular de T. Sá e perante a passividade de Pablo Santos, Rafa rouba a bola e em zig-zag faz o quarto golo! O jogo a terminar e o Benfica queima segundos com a última substituição entrando Taarabt para o lugar de Félix.
Durante 45 minutos o Braga mereceu o acesso ao terceiro lugar, até parecia que lutava pelo título. Mas no final dos noventa minutos está seguro no quarto lugar. Em jeito de balanço, o campeonato tem a primeira e a segunda volta. Na primeira volta luta-se pelo primeiro lugar na segunda luta-se pelo último lugar do pódio. Quando se trocar a filosofia da primeira pela filosofia da segunda (volta) o Braga vislumbra o título. O que falta ao Braga para que isto possa acontecer?

FICHA DO JOGO

ESTÁDIO: Municipal de Braga.

ÁRBITRO: Tiago Martins.

SC BRAGA:

Tiago Sá; R. Esgaio (Trincão, 85′), Bruno Viana, Pablo e Murilo; Palhinha, Claudemir e Fransérgio (Ryller, 85′); Wilson Eduardo (Dyego Sousa, 74′), Ricardo Horta e Paulinho.

TREINADOR: Abel Ferreira.

SL BENFICA:

Vlachodimos; A. Almeida, R. Dias, Ferro e Grimaldo; Samaris, Florentino (Gedson, 80′), Pizzi (Salvio,86′) e Rafa; J. Félix (Taarabt, 90+1′) e Seferovic.

TREINADOR: Bruno Lage.

DISCIPLINA:

AMARELOS

SC BRAGA: Palhinha, 45+2′; Fransérgio, 48′; R. Esgaio, 57′; B. Viana, 64′.

SL BENFICA : R. Dias, 33′; Pizzi, 34′; Florentino, 45+1′; J. Félix, 60′, Rafa, 72′; Seferovic, 77′.

VERMELHOS: nada a registar

GOLOS: (1-0) Wilson Eduardo, 35’; (1-1) Pizzi, 59’; (1-2) Pizzi, 66’; (1-3) R. Dias, 69′; (1-4) Rafa, 90′.

© Fotos: Facebook Oficial Sporting Clube de Braga.

Categorizado como

Current track
Title
Artist