I LIGA: Os Guerreiros conquistaram o Dérbi ao Vitória

Publicado por em 10 Março, 2019

Dyego Sousa e Paulinho festejam o golo da vitória do Braga marcado por Wilson Eduardo.
Fransérgio foi o homem do jogo neste dérbi.

O Braga já havia dado sinais de ter retomado o curso normal na Liga, na partida frente ao Rio Ave, mas era preciso reconquistar os adeptos. Há melhor maneira de o fazer do que vencer o eterno rival do Minho?

Foi à passagem do minuto sete que Fransérgio deu o primeiro sinal, com um remate de meia distância, esta seria a sua tarde. Os primeiros quinze minutos seriam do Braga que jogou no meio-campo do Vitória e fechava este quarto de hora com um livre de Wilson Eduardo. A partir daí o Vitória equilibrou a partida, tendo mais bola obrigou que o jogo fosse mais para a zona do centro do terreno. Perto da meia hora de jogo o Braga, sempre “conduzido” por Fransérgio, leva novamente a bola até à baliza do VSC através de um remate de Dyego que dentro da área rematou por cima da trave sem perigo para Miguel Silva. Mas pouco tempo depois, Dyego de costas para a baliza recebe um passe de Raul Silva e com um toque subtil deixa para o remate do Fransérgio, Miguel Silva ainda defende mas a bola sobra para Ricardo Horta que remata fora do alcance do guardião. O Vitória respondeu de imediato e por duas vezes fez chegar a bola com perigo à baliza de Tiago Sá, que até essa altura era mais um espetador. Apesar das tentativas do Vitória as equipas recolheram aos balneários com a vantagem mínima do Braga que seria decisiva para o desenrolar dos segundos 45 minutos e para o resultado final.

Na segunda parte esperava-se que fosse o Vitória a entrar forte na tentativa de chegar ao golo. Mas foi o Braga que no primeiro minuto com um cruzamento de Wilson do lado direito faz a bola chegar à grande área e Dyego encontra uma nesga de espaço, ganha no físico aos centrais vitorianos e cabeceia de forma espetacular para uma, também espetacular, defesa de Miguel Silva. O Vitória só apareceu na baliza contrária por volta dos 54 minutos, num lance fortuito de Osório, obrigou Tiago Sá a ir ao relvado defender uma bola em cima da linha de golo. Depois desse lance pouco ou nada se viu de parte a parte. Começava a dança das substituições e foi Luís Castro quem abriu as hostilidades. Por volta dos 61 minutos fez sair Mattheus Oliveira e colocou na partida Rochinha, talvez na tentativa de encontrar os espaços que faltaram até essa altura e para fazer chegar a bola à zona de decisão. Mas o tiro saiu furado ao treinador do Vitória pois Rochinha esteve apenas num lance que criou alguma confusão na grande área do Braga e que resultou apenas num canto a favorecer a sua equipa, mas o Vitória perdeu capacidade de recuperação de bola, Rochinha deu-se pouco ao jogo. E era mesmo o Braga que voltava a aparecer mais perigoso, num lance espetacular de contra-ataque Fransérgio só não fechou as contas do Derbi porque o poste esquerdo da baliza defendida por Miguel Silva não se mexeu nem um milímetro. Merecido o prémio de melhor em campo para Fransérgio. Nesta fase era o Vitória a tentar encontrar os caminho para a baliza adversária, sem nunca ser capaz de criar uma verdadeira oportunidade de golo e o Braga a responder com claras oportunidades e voltou a fazê-lo ao minuto 79, canto batido por Murilo e cabeceamento de Bruno Viana “à queima roupa” com uma defesa por instinto de Miguel Silva. Mas foi mesmo Murilo que fez a jogada da noite, recupera a bola no meio campo defensivo do Braga e faz um sprint estrondoso e ainda teve força para um remate potente com o pé esquerdo que proporcionou um espetacular voo a Miguel Silva, para a defesa da noite. Se dúvidas haviam da comunhão entre adeptos e equipa ficaram completamente dissipadas com esta jogada de Murilo, que pouco a pouco vai ganhando o seu espaço na equipa e no coração dos adeptos. O Municipal de Braga termina em ebulição com os adeptos a ovacionar a equipa que, apesar de não fazer uma exibição de encher o olho criou oportunidades mais que suficientes para vencer o Vitória de forma mais expressiva. O Braga foi um justo vencedor num dérbi que foi correto, contou com o exemplo dos Presidentes, lado a lado, para a festa começar e terminar sem sobressaltos no relvado e nas bancadas!!Os Guerreiros retomam o curso normal na Liga embalados pela conquista do dérbi .

FICHA DO JOGO

LOCAL: Estádio Municipal de Braga

ÁRBITRO: Luís Godinho

SC BRAGA:

Tiago Sá; Marcelo Goiano (c), Bruno Viana, Raúl Silva e Sequeira; Palhinha, Claudemir e Fransérgio; Wilson Eduardo (Ryller, 90+3), Ricardo Horta (Murillo, 71’) e Dyego Souza (Paulinho, 76’) .

TREINADOR: Abel Ferreira.

Vitória de Guimarães:

Miguel Silva; Sacko (João Carlos Teixeira, 87′), Pedro Henrique (c) , Osorio e Rafa Soares; Wakaso, André André e Mattheus Oliveira (Rochinha, 61′); Tozé (Ola John, 71′), Davidson e Whelton.

TREINADOR: Luís Castro.

DISCIPLINA:

AMARELOS

SC BRAGA: Claudemir, 82’.

Vitória de Guimarães : Rochinha, 80’ e André André, 85’.

VERMELHOS: Nada a assinalar.

GOLOS: (1-0) Ricardo Horta, 34′.

MELHOR EM CAMPO BPF: Fransérgio.

© Fotos: Facebook Oficial Sporting Clube de Braga 

Categorizado como

Current track
Title
Artist